Entrevista a Natxo Marcet, Diretor Executivo da Fundacion Marcet

Noticias > Entrevista a Natxo Marcet, Diretor Executivo da Fundacion Marcet

Natxo Marcet é o diretor executivo da Marcet Foundation, uma academia pela qual passam todos os anos mais de 1.000 crianças e jovens, dos 6 aos 19 anos. Esta academia conta com formadores qualificados (treinadores, preparadores físicos, analistas…), muitos dos quais são recrutados na FutbolJobs. Marcet fala-nos da sua academia e de como recrutam treinadores através da FutbolJobs.

Natxo Marcet: “FutbolJobs ajuda-nos muito, as pessoas na plataforma são pessoas do futebol”.

Fala-me da Fundação Marcet.

-Temos a nossa sede original e onde ainda operamos e continuamos a ser a nossa base principal, que é na cidade de Barcelona, nas instalações da Marcet. Temos uma das características que, seguramente, como academia, como centro de futebol, somos o local com mais espaço próprio para treinar na cidade de Barcelona, porque, no final, até o Espanyol e o Barça tiveram de ir para fora. Mas nós vamos aguentando, no nosso cantinho da Horta, resistindo, e a verdade é que é uma grande vantagem, sobretudo, a nível local, para que os miúdos possam vir no autocarro, no metro… a facilidade de ligação é muito apreciada. Vimos cá desde o final da década de 1970. O meu pai, Nacho Marcet, o presidente, que é agora o presidente, criou uma escola a pensar na formação integral dos jogadores de futebol, ou seja, que o jogador de futebol não só deve ser formado profissionalmente e seriamente como um profissional, ou seja, que deve trabalhar na profissão de futebol como uma profissão, e não só os jogadores, mas também todos os treinadores de um ponto de vista muito mais profissional. Hoje parece-nos muito normal, mas na altura era menos comum. E uma necessidade de trabalhar tanto o lado profissional como o lado pessoal, digamos que no fundo é igualmente importante e pouco se levanta, que é a questão da pessoa, ou seja, desenvolver a pessoa, tanto no campo do futebol como no campo académico, como na sua vida pessoal. E foi aí que encontrámos o maior desafio de todos, porque temos de fazer com que os miúdos compreendam que não basta jogar bom futebol. Jogar bom futebol é algo que se espera de todos os jogadores. Tudo o que os profissionais vão ter em conta no futuro é jogar um futebol perfeito, mas tu és uma pessoa com capacidade de adaptação a um novo balneário, és uma pessoa que vai trabalhar a 100% em todos os momentos, e isso não depende tanto do talento, mas de uma atitude e de uma forma de estar que tens vindo a trabalhar desde criança. E relacionando este aspeto com a parte dos profissionais das pessoas que trabalham aqui connosco é que, obviamente, uma das suas prioridades não é apenas ensinar-te a questão da técnica ou a questão da tática ou como funciona o futebol. Isso é muito importante, claro que é feito. E temos vindo a desenvolver isto há anos, mas também é muito importante e para nós é um dos elementos chave na hora de trabalhar, e é isso que tentamos transmitir aos nossos treinadores: gerar pessoas úteis, gerar pessoas que, seja no futebol ou em qualquer outra área da sua vida, sejam pessoas com essas competências e esses valores que serão importantes mais tarde: espírito de trabalho, trabalho de equipa, capacidade de sacrifício… Estes elementos estão normalmente associados ao desporto, mas não os obténs apenas praticando um desporto, obténs-nos aprofundando-os. E este é um papel fundamental do treinador, que vai um pouco mais longe, no nosso caso, do que um treinador puro e duro, porque tem de se preocupar muito mais com a pessoa do que com a equipa, no sentido em que para nós o resultado final, a nossa liga, é que os miúdos melhorem e se profissionalizem em todas as áreas que pretendem, não é tanto ganhar ao fim do mês, ganhar ao domingo ou ganhar um campeonato, porque esse é o trabalho que os clubes fazem, e é muito importante que o façam, porque obviamente a competição é fundamental, mas não são dois trabalhos diferentes, é como a diferença entre uma orquestra e uma academia.

-Quantos filhos tens na tua academia?

-Para te dar uma ideia. – Temos 300 crianças connosco durante todo o ano, a prepararem-se para serem futebolistas. mas de que faixa etária? Tenho rapazes dos seis aos 19 anos, mais ou menos. Depois, há sempre um pico algures, mas isso é praticamente o padrão. Mas esses são os que estão lá durante todo o ano. E esses são os que estão no programa profissional. Depois temos mais 200 em cursos intensivos locais, para além de todos os que vêm a curto prazo. Estamos a falar de milhares de estudantes que vêm durante algumas semanas e depois partem, vindos de todo o mundo, tanto locais como crianças de todo o mundo.

-O papel dos formadores é fundamental. Muitos deles encontraram-nos através do FutbolJobs.

– Temos praticamente toda a gente. É disso que precisamos para ter um emprego, uma grande procura de treinadores. No final do dia, estes miúdos vêm aqui e precisam de alguém que lhes explique algo e precisam de alguém que os treine de forma consistente. Por outras palavras, não tens de ser apenas um bom treinador de futebol para seres suficientemente bom para Marcet. Tens de ser claro sobre a filosofia e a forma como Marcet trabalha, porque é isso que vai dar continuidade a esse rapaz. Uma continuidade no trabalho para além do contacto específico que tem com aquele treinador específico, um treinador específico, que tem de ser o mais satisfatório possível, mas que tem de ser capaz de continuar a crescer. Portanto, no final, temos uma grande necessidade de contratar muitos treinadores, mas ao mesmo tempo precisamos de pessoas que tenham certas garantias. Um jovem de 18 anos que queira começar a treinar crianças e que não saiba nada ou não tenha formação, bem, claro que não nos serve. Por isso, temos de começar com um processo. Só trabalhamos com um processo de formação. A primeira coisa, a mais importante, é teres certas garantias sobre essa pessoa. Quero dizer, onde é que vamos buscar jogadores profissionais, onde é que as pessoas que têm a formação correcta em futebol, pessoas que treinam há muito tempo e que estão no mundo há muito tempo, onde é que vão procurar emprego? E um dos sítios para onde se deslocam e um dos sítios onde vamos buscar muitos dos nossos treinadores é precisamente a plataformas como o FutbolJobs. Ou seja, não estamos a falar de um portal normal de procura de emprego onde qualquer pessoa se pode inscrever, mas é realmente um portal onde as pessoas que entram, onde as pessoas que se movem, obviamente se destacam, porque são pessoas que estão no mundo do futebol. A FutbolJobs ajuda-nos, e essa é uma das nossas principais necessidades, não perder tempo.

-O facto de, por exemplo, os currículos chegarem filtrados, com pessoas segmentadas, é fundamental para a contratação de formadores…

– Claro, exatamente. Considera que no futebol o problema não é ter candidatos, mas sim ter bons candidatos. E FutbolJobs dá-te isso. Toda a gente quer estar no futebol. Isto é bom. Toda a gente pensa que sabe. Há muita gente que quer ir para o futebol. A parte difícil é encontrar pessoas que se enquadrem no perfil de que precisas. Para isso não é assim tão difícil arranjar pessoas, porque é relativamente fácil, o difícil é arranjar pessoas qualificadas que respondam ao que procuras. Daí a utilização de uma plataforma como a FutbolJobs, que nos ajuda a fazer todos esses processos de filtragem de uma forma muito específica no mundo do futebol.

-Quantos treinadores contrataste através da FutbolJobs?

– Estamos a falar, no fim de contas, de mais de dez pessoas. Bem, não te quero dar um número, mas muitos todos os anos. Quando trabalhas no mundo do futebol, o futebol vai para além do jogador e do treinador. Isso, claro. Tens os analistas, que é um mundo muito importante, tens todo o mundo básico da preparação. Trabalhamos com analistas, preparadores físicos …. Até temos um médico, um médico que está aqui todas as manhãs connosco, todos os dias. No fim de contas, uma criança tem muitas necessidades e todas elas têm de ser satisfeitas. As actividades académicas e futebolísticas têm de ser cobertas. Por muito que te dediques ao futebol, no final do dia o miúdo tem necessidades de todo o tipo e natureza. Por isso, há coisas que podes subcontratar, mas há muitas coisas que tens de integrar na tua própria lógica. Por isso, integra-os, tanto quanto possível. E sim, as oportunidades de emprego no mundo do futebol não se limitam de forma alguma ao jogador e ao treinador. De facto, é nestas áreas que vais ter mais concorrência. E o normal, geralmente, não como jogador, mas como treinador, é entrar de outras formas, onde tens uma barreira de entrada mais baixa, menos concorrência, de pessoas. E, a partir daí, ganhas a confiança da instituição onde trabalhas e avanças.

– Além disso, é a nossa experiência. Depois, há casos de todos os tipos.

-A experiência com os candidatos é satisfatória?

– Sim, sim, tens razão. Em termos gerais, a experiência é muito satisfatória no sentido em que, quando trabalhas e fazes uma combinação de todos os filtros e toda a filtragem prévia que a FutbolJobs faz, e depois todo o trabalho que fazemos, sejam entrevistas, etc. …. No final, quando um acordo é celebrado, acabamos por ficar bastante satisfeitos com a forma como está a evoluir, como o trabalho está a evoluir. Também é verdade que somos uma instituição relativamente grande.

-Que jogadores que passaram por Marcet são agora profissionais?

-Somos a Academia de Futebol com a maior taxa de sucesso do mundo, no sentido em que não há outra academia que coloque tantos miúdos nas divisões de topo em todo o mundo. Mas o que queres dizer com isso? Que estamos continuamente a gerar Messis ou Mbappes? Isto é algo fora de órbita, estamos continuamente a gerar jogadores que acabam por jogar na primeira divisão com outros perfis. Por exemplo, nos últimos tempos, o nome de uma pessoa que é profissional há muitos anos, Óliver Torres, que está agora no Sevilha, tem sido muito mencionado. Mas não estamos a falar apenas de Espanha, estamos também a falar de jogadores que viajaram por todo o mundo. Tens o caso de Konrad de la Fuente, por exemplo, que era a estrela do Barça, que está agora a desenvolver-se fora de Espanha, e muitos, muitos mais…