Brahim e a sua decisão de vestir a camisola de Marrocos

Noticias > Brahim e a sua decisão de vestir a camisola de Marrocos

Brahim Díaz vai jogar pela seleção de Marrocos. O jogador fez esta escolha de forma consciente. A decisão baseia-se no carinho que recebeu da equipa africana, um carinho que não experimentou na seleção espanhola. Este foi um fator crucial para confirmar no domingo que já tinha tomado a sua decisão.

O jogador do Real Madrid poderá ser convocado por Walid Regragui para os jogos amigáveis em casa contra Angola (22 de março) e Mauritânia (26 de março). Embora o extremo branco tenha nascido em Málaga, tal como a sua mãe, e o seu pai em Melilla, a sua avó é originária de Marrocos. O país magrebino, que procura atrair novos talentos do futebol, conseguiu atrair Brahim Diaz.

A estrondosa vitória do Real Madrid sobre o Celta por 4-0, decidida ao sprint, foi rapidamente ensombrada por uma notícia antecipada por este jornal: Brahim Díaz escolhe Marrocos. Tudo se acelerou com a conclusão dos processos de nacionalização, abrindo definitivamente a opção pelo Norte de África. Nessa altura, a decisão ainda não tinha sido totalmente tomada. Embora a opção de se juntar aos Leones del Atlas tenha ressoado fortemente, a RFEF, apesar de ter em mente a sua convocação para a próxima pausa, manteve uma postura de imobilidade em relação ao madridista. Esta falta de gestos e demonstrações de afeto acabou por fazer pender a balança.

Na segunda-feira, o próprio treinador deu a sua versão: “Respeito total, sem dúvida. Mas também sempre disse que há três máximas quando se trata de um jogador: que ele possa jogar pela seleção, que o queira fazer e que o treinador o chame. Mas o mais importante é quereres, sem exigências e sem condições, com direitos e deveres iguais aos dos outros”, disse, visivelmente incomodado.

Marrocos apresentou um projeto para persuadir Brahim. Os africanos explicaram ao jogador o plano que têm em mente e garantiram-lhe que o iriam elevar ao estatuto de estrela. “Ele estaria no mesmo nível de Achraf e seria um ponto de referência”, disseram fontes próximas da federação marroquina ao OKDIARIO. O jogador do Real Madrid sabe que terá um forte apoio da seleção marroquina, que pretende ser uma potência no Campeonato do Mundo de 2030, que se realizará em Espanha, Marrocos e Portugal. Nesse caso, o madridista terá 29 anos.

Brahim Díaz considera que o projeto africano e o protagonismo que irá ocupar nos planos do treinador Regragui são mais atractivos do que a pouca atenção e carinho demonstrados pela Real Federação Espanhola de Futebol. Jogadores como Ferran Torres, Yeremi Pino, Nico Williams, Lamine Yamal, Bryan Zaragoza, Abel Ruiz, Dani Olmo, Rodrigo Riquelme, Pablo Sarabia ou Ansu Fati tinham sido convocados antes dele nas últimas listas da seleção espanhola.

Se não houver problemas burocráticos, Brahim fará parte da seleção marroquina anunciada na quinta-feira para defrontar Angola e Mauritânia. Veste uma camisola vermelha diferente daquela que pensou vestir durante muitos anos.